Wifi Ralph

wifi-ralph-critica-760x428

O personagem Ralph está de volta, juntamente com Vanellope e os outros do primeiro desenho. Para quem não lembra, eles são personagens de videogame que se relacionam virtualmente em uma loja de fliperama através dos cabos. Na animação anterior, Ralph e Vanellope, personagens desprezados em seus jogos, formam uma amizade inusitada. Ele, vilão de seu jogo, acaba ajudando-a a recuperar seu papel de personagem principal no Corrida doce. Agora, seis anos se passaram e nada mudou desde a primeira animação. E é justamente esse o problema. Vanellope está entediada por fazer a mesma coisa todo dia e pelo fato de seu jogo de corrida ser muito simples. Tudo muda com a chegada da internet à casa de fliperama e com a necessidade de comprar um novo volante para sua máquina no Ebay, pois se isso não acontecer ela será desligada para sempre. Ambos acabam entrando no mundo online pela primeira vez com a tarefa de comprar o volante e são surpreendidos com um infinito mundo de possibilidades que podem ser encontradas lá.

A animação é muito bem escrita e desenvolvida. Pelo fato dos personagens literalmente entrarem na internet, podemos ver uma representação física do mundo “lá de dentro”. Os mais diversos sites e aplicativos, compras e vendas, vídeos, memes, filmes, séries, personagens variados do passado e do presente são as surpresas que tomam os expectadores ao longo de toda a narrativa. A criatividade na introdução de cada um desses elementos de forma muito bem-humorada é o ponto alto do longa, nos trazendo muitas risadas e momentos divertidos. A cena de Vanellope com as princesas Disney é fantástica. Vale muito a pena assistir essa nova animação.

A trama aborda como tema principal as mudanças que ocorrem nos relacionamentos ao longo do tempo. É praticamente impossível relacionamentos permanecerem imutáveis ao longo de toda a nossa vida. No desenho, a grande mudança foi a chegada da internet, um novo mundo que se abriu que fez surgir toda sorte de oportunidades e desafios para Vanellope, ao passo que Ralph continuou acomodado com sua vida e seu jogo. Assim, uma mudança na amizade dos dois era iminente, pois ambos possuíam posturas bem diferentes com relação à vida, apesar de serem grandes amigos. A vida real nos proporciona inúmeras novidades e mudanças, mundos que se abrem e que fazem com que as dinâmicas de nossos relacionamentos sejam abaladas, por exemplo: o período de puberdade, a entrada em uma universidade com novos ambientes de relacionamentos e novos interesses, casamento, filhos, mudança de status social, mudança de endereço, mudança de emprego e tantas outras situações. Uma prova disso é a dificuldade que temos em conservar os relacionamentos de infância, escola ou faculdade. Dificuldade que temos também quando um amigo casa, tem filhos ou se muda.

Evitar transformações na vida do outro com medo de que o relacionamento mude é egoísmo, atitude que Ralph teve. Pessoas são diferentes, alguns mais aventureiros, outros mais acomodados ao lar e à rotina. O fato de alguém querer se lançar a novos desafios é uma característica inata e tentar evitar que isso aconteça é lutar contra a natureza da pessoa. Precisamos aceitar as mudanças que possam acontecer, pois se o nosso relacionamento está baseado no amor que temos pela pessoa nós queremos seu bem. O desenho mostra que é possível manter um relacionamento apesar das mudanças, basta as duas partes estarem dispostas a manter um vínculo e se adaptar com uma nova rotina. Acima de tudo, a história construída juntos e o amor são laços muito fortes. Mesmo que seja impossível manter um contato constante, o bem que um fez ao outro nunca será esquecido, assim como a lealdade. A Bíblia conta em 1 Samuel 18-20 a história de dois grandes amigos, Davi e Jônatas, que precisaram se separar porque o pai de Jônatas queria matar Davi. Apesar da separação e da posterior morte de Jônatas, Davi continuou leal às suas promessas e aos descendentes de Jônatas. Em um relacionamento, separação nem sempre significa uma quebra. Em muitos casos pode ser um ato de amor, amizade e investimento na vida do outro. Que possamos manter nossos relacionamentos sem egoísmo.

“Ninguém deve buscar os seus próprios interesses e sim os interesses dos outros.” (1 Coríntios 10:24)

“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.” (1 Coríntios 13:4,5)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s